Os Patriarcas Dizimaram Antes de Haver Levitas e Santuário

 

Rosh Baruch Ben Avraham

 

É um fato que antes mesmo do dízimo ser regulamentado como uma prática da Torah ele já era dado pelos patriarcas, ainda que nesse caso não por ordenança, mas por pura dadivosidade. Assim, Avram, ainda antes de ter seu nome mudado, depois de enfrentar os reis de Sodoma, tendo tomado despojos de guerra e tendo sido abençoado pelo כֹהֵן לְאֵל עֶלְיוֹן kohen le`El Elion (sacerdote do Elohim Altíssimo) decidiu entregar-lhe os dízimos de tudo.

 

"E o rei de Sodoma saiu-lhe ao encontro (depois que voltou de ferir a Quedorlaomer e aos reis que estavam com ele) até ao Vale de Savé, que é o vale do rei. E Melquisedeque, rei de Salém, trouxe pão e vinho; e era este sacerdote do Deus Altíssimo. E abençoou-o, e disse: Bendito seja Avram pelo Elohim Altíssimo, o Possuidor dos céus e da terra; e bendito seja o Elohim Altíssimo, que entregou os teus inimigos nas tuas mãos. E deu-lhe o dízimo de tudo.” Bereishit/Gn 14:17-20: 

 

A narrativa é conclusiva, וַיִּתֶּן לוֹ מַעֲשֵׂר מִכֹּל va`yiten ló maaser mi`kol (e deu-lhe o dízimo de tudo) e nos permite concluir que muito tempo antes do sacerdócio levítico tomar o lugar o sacerdócio dos primogênitos, Avraham já entregava o maaser, ou seja o dízimo ao sacerdote Melktsedek. Isso torna óbvio que qualquer crente, abençoado em seu pai Avraham pode alegremente contribuir para que o sacerdócio de Melktsedek, que não é outro senão o do Maschiach Yeshua seja sustentado através de dízimos voluntariamente dados para a sua obra.

Nota-se que esse sacerdócio a quem Avraham dizimou era tão elevado que o próprio patriarca, pai de uma nação sacerdotal que haveria de começar com seus descendentes devolveu o dízimo a ele de tudo quanto possuía. A importância desse sacerdócio por meio do qual Avraham foi abençoado nessa terra será depois usada pelo autor da carta dirigida exclusivamente ao povo hebreu como elemento de prova em favor da busca de um sacerdócio de maior valor que o sacerdócio levaita. O sacerdócio de Melktsedek, lembra o autor foi recebedor dos dízimos do sacerdócio levitíco quando este existia apenas no DNA de Avraham Avinu.

 

 Porque este Melktsedek, que era rei de Shalém, sacerdote do Deus Altíssimo, e que saiu ao encontro de Abraão quando ele regressava da matança dos reis, e o abençoou; a quem também Avraham deu o dízimo de tudo, e primeiramente é, por interpretação, rei de justiça, e depois também rei de Shalém, que é rei de paz; sem pai, sem mãe, sem genealogia, não tendo princípio de dias nem fim de vida, mas sendo feito semelhante ao Filho de Elohim, permanece sacerdote para sempre. Considerai, pois, quão grande era este, a quem até o patriarca Avraham deu os dízimos dos despojos. E os que dentre os filhos de Levi recebem o sacerdócio têm ordem, segundo a Torah, de tomar o dízimo do povo, isto é, de seus irmãos, ainda que tenham saído dos lombos de Abraão. Mas aquele, cuja genealogia não é contada entre eles, tomou dízimos de Avraham, e abençoou o que tinha as promessas. Ora, sem contradição alguma, o menor é abençoado pelo maior. E aqui certamente tomam dízimos homens que morrem; ali, porém, aquele de quem se testifica que vive. E, por assim dizer, por meio de Avraham, até Levi, que recebe dízimos, pagou dízimos. Porque ainda ele estava nos lombos de seu pai quando Melkitsedk lhe saiu ao encontro." Irim/Hb 7:1-10.

 

Vemos claramente pela midrash que o sacerdócio de Melktsedek é superior ao de Levy e que este sacerdócio, que precede ao Templo procede a ele, pois é o sacerdócio de Yeshua, já que ele sendo da tribo de Yehudáh não podia ser sacerdote. Bem, esse é o nosso sacerdócio, e é para sua manutenção que os crentes podem doar livremente, e mesmo a isso serão compelidos pelo amor à causa. Bem, o exemplo de Avraham Avinu não é de forma alguma o único na era patriarcal. Tudo indica que o costume de oferecer uma parte da renda para o serviço do Eterno existia desde os tempos de Noach ou talvez antes.

Como sabemos, inspirado pelo exemplo de seu avô que voluntariamente entregou 10% de seus bens ao kohen que acabara de abençoá-lo espiritualmente depois que Elohim o abençoara fisicamente com a vitória estrondosa sobre seus inimigos, Yakov seu neto decidiu também ser um dizimista. O pai de Israel votou solenemente através, que se ele fosse abençoado em tudo conforme as promessas que acabara de receber, então ele também devolveria a Adonay uma parte de suas bênçãos materiais. O valor dessa devolução seria a mesma que seu avô Avraham havia dado, exatamente 10%. Mais uma vez ficava patente o dízimo como uma entrega voluntaria de parte da renda.

 

“E Yakov fez um voto, dizendo: Se Elohim for comigo, e me guardar nesta viagem que faço, e me der pão para comer, e vestes para vestir; e eu em paz tornar à casa de meu pai, Yah me será por Elohim; E esta pedra que tenho posto por coluna será casa de Elohim; e de tudo quanto me deres, certamente te darei o dízimo.” Bereshit/Gn 28:20-22

 

À luz dessas declarações se nota quão distantes estão aqueles que consideram o dízimo como uma prática ligada ao templo e aos levitas unicamente. Todo o crente pode voluntariamente, sem ser compelido por nada mais do que o amor a causa que abraça dizimar em sua congregação para que ela possa sustentar seu local de culto, suas tarifas de serviço, seus tributos, seus ministros e funcionários e para que ela possa edificar seus locais de adoração e  reunião e manter seus programas de divulgação da mensagem seja ela escrita, radial, televisiva ou virtual.

 

É lamentável quando pessoas que fizeram votos de dizimar suas rendas quando estavam na igreja romana ou numa organização neopentecostal, quando se aproximam mais da luz decidem não contribuir mais. Deveria ser justamente o contrário. Quanto mais nos apercebermos da luz, e de quanto ela foi importante para nós, mais deveríamos doar para que a causa seja fortalecida. Claro que quando dizemos apenas que o crente pode dizimar estamos nos baseando nos dízimos de Avraham entregues voluntariamente a Melktsedek e os de Yakov prometidos também voluntariamente ainda que não nos seja informado o destinatário.

A Torah nos fornece outras fontes acerca das quais podemos nos assessorar para estabelecer uma correta compreensão das leis do dízimo.