Satan Nunca Foi Um Bom Menino Mas Suas Travessuras Operam a Mando de Elohim.

Rosh Baruch Ben Avraham

As Escrituras não ensinam em lugar algum que o mal se originou com a criatura. Pelo contrário, o próprio Criador se assume como originador do mal. A razão é simples, não existe nada, absolutamente nada, fora de Yah. Ainda que isso nos seja misterioso, mesmo a concretização do mal é o reflexo de sua vontade. Assim se revela o contraste entre o prêmio e o castigo, entre a luz e as trevas, entre o bem e o mal.

 

1.    A Queda de Satan na Visão de Herbert Armstrong

Em sua obra “God Creat a Devil?”, publicada em 1958 Herbert Armstrong declara que a terra possuia um trono onde Lúcifer governava em santidade e justiça no jardim do Éden, que esse governo se corrompeu e o anjo santo, se converteu em Satan. Claro que tudo isso é um mito por razões que logo vamos expor. Gostaria de recordar que não estamos em campanha contra Armstrong, mas certos conceitos que ele expõe sobre Satan são quase universais no mundo cristão e precisam ser depurados.

“Resumamos o que tempos estabelecido até agora: A terra foi criada perfeita; os anjos gritaram de alegria quando Deus a criou, e desde então esteve povoada por anjos. Nela havia um trono a partir do qual Lúcifer governava, um superanjo, um querubim. Havia sido cabalmente instruído na administração do governo divino, estando ante o próprio trono de Deus no céu. Deus o havia posto no trono da terra para que administrasse ali o GOVERNO DIVINO sobre os anjos. Havia felicidade, paz, alegria no planeta. Em Ezequiel 28.15 lemos: “Perfeito eras en todos os teus caminhos desde o dia que foste criado, até que se achou maldade em ti.”.

Deus NÃO CRIOU AO DIABO, mas um superarcanjo formoso e perfeito. Mas deu-lhe livre arbítrio, o direito de escolher por si mesmo. Dotou-lhe de uma mente para pensar e raciocinar livremente. Lúcifer permitiu que sua beleza e perfeição o enchessem de vaidade. Sentiu inveja do poder de Deus e ressentimento por sua autoridade sobre ele. Conspirou com seus anjos e os guiou a formar um exército para invadir o céu e destronar a Deus. Ele  queria ser Deus, e sua influência enganosa sobre o “príncipe de Tiro” será o que produzirá que este personagem afirme que ele, um homem, é Deus.” Deste modo, Lúcifer não é mais um “PORTADOR DE LUZ”, mas um ADVERSÁRIO, um agressor, um competidor, um inimigo. O nome Satanás quer dizer “Adversário”. Os anjos que lhe seguiram se converteram em DEMÔNIOS. “(Herbert Armstrong, Deus Criou ao Diabo? http://www.cog21.org/site/cog_archives/booklets/spanish_language/creodiosaldiablo.htm )

Estas declarações são comuns a Charles Russel, Ellen White, Martinho Luero e tantos outros. Elas se projetam no ideario de quase todas as igrejas cristãs sejam católicas, reformadas, batistas ou fonteiriças (testemunhas de Jeová, mórmons, cristãos no Brasil, adventistas e outras). Apesar disso precisam ser investigadas e postas de lado por uma série de motivos.

 

Em primeiro lugar por que o Ha Kadosh Baruch Hu não tem adversários, pois é rei e soberano. Como Criador formou todas as suas criaturas, umas como vasos de honra, outras como de desonra. Elohim, sendo Onipotente e Onisciente,  não criou para si inimigos. Bestas do campo, pássaros do céu e peixes do mar todos lhe servem e obedecem quando ele assim o determina. Homens, anojs, tanto bons como maus também o servem de igual forma.

 

Logo Satan, cujo nome na Bìblia é desconhecido, mas que na literatura rabínica é conhecido como Samalael ou Samael na forma mais curta é nosso adversário, como bem o define Kefa, mas não adversário de seu Criador, somos nós que precisamos estar em guarda para que ele não possa exerer autoridade de juízo sobre nós:

“Sede sóbrios; vigiai; porque Satán, vosso adversário, anda em derredor, bramando como leão, buscando a quem possa tragar.” Kefa Alef/1Pd. 5:8.

Em segundo lugar por que Lúcifer é uma palavra latina que significa Luzeiro. Considerá-lo como sendo o Rei de Tiro exige a presuposição de que houve uma época em que Satan era bom, justo, verdadeiro e luminoso. A verdade porém é outra, homicida desde o princípio, ele foi criado mal e para o mal e para a mentira. Nunca, em nenhum momento de sua história aquele anjo jamais amou a verdade. Ao nos voltarmos para a Bíblia devemos nos desfazer dos mais acariciados mitos populares para nos fixar na verdade.

 “Vós tendes por pai ao diabo, e quereis satisfazer os desejos de vosso pai. Ele foi homicida desde o princípio, e não se firmou na verdade, porque não há verdade nele. Quando ele profere mentira, fala do que lhe é próprio, porque é mentiroso, e pai da mentira.” Yochanan/Jo. 8:44. 

 

Em terceiro lugar, porque isso envolve a suposição de que o mal foi um invasor nos domínios do Rei do Universo, um invasor não ordenado, um intruso indesejado para o Criador. Para muitos o mal é uma desagradável supresa que invadiu a terra e para a qual o Eterno anda agora buscando solução. Tudo isso é uma tolice.

 

A Bíblia nos ensina o contrário. Tudo foi ordenado por ele de acordo com seus sábios e misteriosos propósitos.  O Eterno faz todas as coisas, tanto as boas como as más para revelar sua vontade através delas.

 

“Nele, digo, no qual também fomos feitos herança, havendo sido predestinados conforme o propósito daquele que faz todas as coisas segundo o conselho da sua vontade.” Efésios 1:11.

 

 

2.    Porque os Anjos Maus Operam.

Por meio da ação do mal são punidos os homens que o irritam e atraem sobre si sua ira e inimizade. Também por essa ação são corrigidos os filhos do Reino que intentam assemelhar-se aos cidadãos do “príncipe desse mundo.” Logo, Yah é o autor, não de parte das ações do universo, mas de todas elas. Não há nada que ocorra no mundo visível ou invisível, material ou espitrital, no céu ou no sheol (inferno) que não esteja sob a administração de seu conselho e de sua soberania.

“Eu formo a luz, e crio as trevas; eu faço a paz, e crio o mal; eu, YHWH, faço todas estas coisas.” Yeshayahú/Is. 45:7.

 

         Não ignoramos que Satan, o opositor, o adversário não é o nome do anjo mau, mas representa mais bem um ofício, um ministério de anjos opositores que são colocados à mão direita daqueles que se opõem a vontade do Criador, e mesmo de seu povo quando esse abriga o pecado do orgulho.

 

         Não há ímpio que faça o mal contra o pecador, nem Satan que se coloque à sua mão direita para a ele se opor e nem anjo mau que venha contra os inimigos de Israel que não tenha sido mandado pelo Criador.

 

“Põe sobre ele um ímpio, וְשָׂטָן יַעֲמֹד עַל יְמִינוֹ: vê`satan yamod al yeminu (e Satan se levante à contra a sua mão direita).” Tehilim/Sl 109:6.

 

E atirou sobre eles o ardor da sua ira, o furor, a indignação, e a angústia,  מִשְׁלַחַת מַלְאֲכֵי רָעִים mishelachat malachey raym (mandando contra eles maus anjos).” Tehilim/Sl 78:49 

 

Sabemos também, como testifica o profeta Zecharayah que quando os homens se comportam mal este anjo os acusa na presença do Eterno, como aconteceu com o sumo sacerdote Yehoshua (Josué) razão pela qual lemos: וְהַשָּׂטָן עֹמֵד עַל יְמִינוֹ לְשִׂטְנוֹ:  ve`ha´satan omed al yemenu (e Satán estava a sua mão direita para lhe resistir).” Zecharyah/Zc 3:1.  Estamos, pois conscientes de que sua missão é trazer correção e sofrimento ao homem, tentando-o a fazer o mal, a fim de que seu caráter se desenvolva na escolha do bem como aconteceu com o rei David que ao crescer em orgulho, foi por Satán conduzido a fazer o censo de Israel sem pagar ao Eterno o resgate por seu povo.

 

וַיַּעֲמֹד שָׂטָן עַל יִשְׂרָאֵל Vayamod Satan al Yisrael (Então Satanás se levantou contra Israel), e incitou Davi a numerar Israel.” 1 Cornicas 21:1.

 

Esse é um detalhe muito importante, pois nele se revela que Satán operou não contra a vontade, e por conseguinte não como opositor ao Eterno, mas de acordo com a sua vontade, e tendo em vista alcançar um objetivo que era ferir a Israel em seu orgulho e fazê-lo entender que seu exército estava no mundo invisível e não no visível. Por essa razão a ação de tentar, de incitar a Davi para que fizesse o censo coube a Satán, e, no entanto, a autoria desse ato se atribui também ao Criador que o comanda, ordena ou contém segundo seu propósito.

 

“A ira do Senhor tornou a acender-se contra Israel, e YHWH incitou a Davi contra eles, dizendo: Vai, numera a Israel e a Yehudáh.” Shmuel Beit/2 Sm 24:1.

 

A missão de Satán é pois acusar de dia e de noite os servos do Eterno para que os anjos que o defendem possam apresentar seu arrependimento, e mesmo seus motivos a fim de que o Eterno possa justificá-los. Essa é sua missão. A palavra hebraica שָׂטָן Satán tem exatamente esse sentido, o de acusador ou promotor. Ele serve ao Eterno tanto quanto os anjos bons, mesmo cumprindo missão diferente. Satan não é, pois inimigo do Criador, mas opositor dos homens e prevalece acusando-os quando estes estão em pecado.

 

“Mas quando o arcanjo Michael, discutindo com Satán, disputava a respeito do corpo de Moshe, não ousou pronunciar contra ele juízo de maldição, mas disse: Adonay te repreenda.” Yehudáh/Jd v 9.

 

Também é sua missão levar os homens ao engano quando não amam a verdade para que assim eles creiam na mentira. Nessas ocasiões ele recebe autoridade para se tornar um anjo de luz, para que o poder de seu fascínio seja mais abundante e o engano se torne ainda maior. Se ele não puder se apresentar em pessoa, coisa que raramente faz, usa para isso seus ministros, que adquirem a aparência da santidade.

 

“E não é de admirar, porquanto o próprio Satanás se disfarça em anjo de luz. Não é muito, pois, que também os seus ministros se disfarcem em ministros da justiça; o fim dos quais será conforme as suas obras.” II Coríntios 11:14-15.

 

 Claro está que um dia essa missão acaba. Ele será expulso do Céu para nunca mais entrar. Quando o Eterno não mais se lembrar das iniquidades de Israel, quando transformar sua natureza fazendo com que cada um de seus filhos se torne santo, justo e bom, seu trabalho terá terminado para sempre. A antiga serpente já não era motivo algum para acusá-los. Terá sido banida para sempre do céu, junto com todos os anjos que a servem em sua obra satânica (opositora) e já não terá missão alguma a cumprir.

 

“Então houve guerra no céu: Michael e os seus anjos batalhavam contra o dragão. E o dragão e os seus anjos batalhavam, mas não prevaleceram, nem mais o seu lugar se achou no céu. E foi precipitado o grande dragão, a antiga serpente, que se chama o Diabo e Satan, que engana todo o mundo; foi precipitado na terra, e os seus anjos foram precipitados com ele.” Apocalise 12:7-9.

 

Esclarecido que Satán opera exclusivamente sob as ordens do Criador, e que ao trazer o mal sobre os homens, o faz sob a administração de sua soberana vontade, precisamos por de lado o mito de que um dia os anjos representados por Satan foram meninos bons, justos e misericordiosos. Acerca disso Yeshua não deixa dúvida alguma quando diz:

 

“Vós tendes por pai o Diabo, e quereis satisfazer os desejos de vosso pai; ele é homicida desde o princípio, e nunca se firmou na verdade, porque nele não há verdade; quando ele profere mentira, fala do que lhe é próprio; porque é mentiroso, e pai da mentira.” Yochanan/Jo 8:44.

 

Está, pois sobejamente claro que Satán não era um menino bonzinho, sem nenhum desejo de fazer o mal, e que subitamente sem que nem ele possa explicar os motivos, se tornou uma criatura má e perversa. Em tempo, não havendo nenhuma maldade para ele e seus anjos maus realizarem, é claro que fazia somente o bem, mas quando se apresentou a primeira oportunidade ele revelou o mal que trazia oculto e si, por isso é chamado de Satan (opositor) e também é considerado a antiga serpente. Foi ali no Eden que ele manifestou por primeira vez sua missão como opositor do homem.

 

 

 

3.    A Ação do Anjo da Morte

 

Contudo, mesmo quando o anjo da morte é enviado para colher nossas almas, nem por isso ele deixa de nos prestar um bem, pois que, deixando a morada já cansada do corpo, parte para um lugar incomparavelmente melhor. Assim, ainda que Satan roube todas estas coisas, e outras mais, como fez com Yob, ele não opera soberanamente. Em última instância os danos trazidos por ele são  atribuídos ao Criador e não à criatura, como se fala a respeito de Satã  quando  atacou cruelmente a Yob.

 

“E disse YHWH a Satan: Eis que tudo quanto ele tem está na tua mão; somente contra ele não estendas a tua mão. E Satan saiu da presença de YHWH... Então Yob se levantou, e rasgou o seu manto, e rapou a sua cabeça, e se lançou em terra, e adorou. E disse: Nu saí do ventre de minha mãe e nu tornarei para lá; YHWH o deu, e YHWH o tomou: bendito seja o nome de YHWH. Em tudo isto Jó não pecou, nem atribuiu a Elohim falta alguma.” Yob/Jó 1:15, 20-22.

 

Assim, embora ele roube, mate e destrua como fez com Yob contra quem ergueu ladrões que lhe furtaram os rebanhos, e em suas mãos esteja o poder da morte, esse poder está à serviço do Criador, que pode restringi-lo a hora que bem deseje. Tão certo como os mestres da confissão positiva estão errados quanto à origem da morte, também o estão quanto à origem da enfermidade que é um instrumento do Criador, mesmo quando trazida por um anjo mau. Afinal, anjos maus são agências a serviço do Rei e operam para castigar, para corrigir e mesmo para destruir.

 

4.    Espíritos Maus Operam Sob o Controle do Criador

 

Olhe para o Egito, acossado por toda a sorte de males e você verá que quando um anjo mau ou mesmo um demônio  ataca uma pessoa, ele é enviado por Adonay para sacudir essa vida, ou destruí-la de acordo com o desígnio divino como ensina David ha Melech.

 

 “Lançou sobre eles o ardor da sua ira, furor, indignação, e angústia, mandando maus anjos contra eles. Preparou caminho à sua ira; não poupou as suas almas da morte, mas entregou à pestilência as suas vidas. E feriu a todo primogênito no Egito, primícias da sua força nas tendas de Cão.” Tehilim/Sl 79-49-51.

        

         Os espíritos maus são controlados pelo Eterno. O Rei Achab, havia se rebelado contra o Criador e feito Israel pecar. Que ferramenta mais apropriada para castigá-lo que os espíritos maus?

 

“Então ele disse: Ouve, pois, a palavra de YHWH: Vi a  YHWH assentado sobre o seu trono, e todo o exército do céu estava junto a ele, à sua mão direita e à sua esquerda.  E disse YHWH: Quem induzirá Achab, para que suba, e caia em Ramote de Gileade? E um dizia desta maneira e outro de outra. Então saiu um espírito, e se apresentou diante de YHWH, e disse: Eu o induzirei. E YHWH lhe disse: Com quê? E disse ele: Eu sairei, e serei um espírito de mentira na boca de todos os seus profetas. E ele disse: Tu o induzirás, e ainda prevalecerás; sai e faze assim.” Melachim Alef/1Rs 22:19-22.

        

Como vemos aqui é um desses espíritos que o Criador decide usar para levar Achab à ruína. Estes espíritos maus vindos da parte do Criador, podem ser usados também contra os eleitos de Elohim que se atrevem a viver uma vida de arrogãncia e orgulho separados da fonte da vida. Um exemplo dessa atuação é o profeta Shaul, escolhido para ser rei de Israel e ungido pela Ruach para ser o pastor de Israel. Quando Shaul cedeu lugar a seu orgulho e vaidade, deixando que o ciúme dominasse sua vida, desprezando a David por ter sido ungido rei estando ele ainda  vivo, sem reconhecer que a soberania é de Elohim, e que seu reinado era dele, o Criador enviou contra um espírito mau que o atormentava enormemente.

 

“E o Espírito de YHWH se retirou de Shaul, e atormentava-o um espírito mau da parte de YHWH. Então os criados de Shaul lhe disseram: Eis que agora o espírito mau da parte de Elohim te atormenta.” Shmuel Alef/1Sm 16:14-15

 

Derrotados ante os claros testemunhos do Tanach, os adeptos da Confissão Positiva se refugiam no engano de que agora estamos na graça, e hoje as coisas são diferentes. Um perfeito disparate, pois a dispensação da graça começou no Éden e não no Calvário, caso contrário nenhum pecador seria salvo de Adam até Yeshua. Além disso vemos que depois da morte de Yeshua, Hananiah e Safira são mortos, Elimas o encantador fica cego e as pragas vêm não apenas por que Satã, o quer, mas por que o Criador o determina.

 

 “Então Kefa lhe disse: Por que é que entre vós vos concertastes para tentar a ruach de Adonay? Eis aí à porta os pés dos que sepultaram o teu marido, e também te levarão a ti. E logo caiu aos seus pés, e expirou. E, entrando os moços, acharam-na morta, e a sepultaram junto de seu marido. Maasei Shalichim/At 5:8-9.

 

“Eis aí, pois, agora contra ti a mão de Adonay, e ficarás cego, sem ver o sol por algum tempo. E no mesmo instante a escuridão e as trevas caíram sobre ele e, andando à roda, buscava a quem o guiasse pela mão.” Maasei Shalichim/At 13:11

 

“E os homens foram abrasados com grandes calores, e blasfemaram o nome de Elohim, que tem poder sobre estas pragas; e não se arrependeram para lhe darem glória.” Guiliana/Revelação 16:9.

        

Portanto, ensinar que os demônios operam apenas de acordo com sua própria  vontade, ou pior ainda, que estão desgovernados até que oremos, é mais um enDeuso desmentido pela Brit Chadahá. Basta ler o que Shaul diz a respeito dos que rejeitam o amor da verdade para que isso fique patenteado.

“E com todo o engano da injustiça para os que perecem, porque não receberam o amor da verdade para se salvarem. E por isso Elohim lhes enviará a operação do erro, para que creiam a mentira.” 2 Tessalonicenses 2:10-11.

Ao ignorar que Elohim é soberano e, exerce onipotente domínio sobre as obras de suas mãos, o espírito do erro e do engano tem conduzido muitos a crerem em especiosas mentiras a ponto de imaginar como R.R. Soares, que basta ordenar que o diabo suma da vida, para que todo o sofrimento acabe.

“Diga agora ao diabo para ele desaparecer da sua vida com tudo o que é dele. Deus não lhe promete a cura. Ele declara que você já foi curado — pelas feridas de Jesus...  Porém, ao aprender a determinação, comecei a exigir que o diabo saísse do meu corpo com as suas  doenças. Resultado:      Saiu — estou curado. Glória a Deus!” R. R. Soares, Como Tomar Posse da Benção, Graça Editoral 5ª Edição – 1997, pág. 22.

Essa é uma situação simplista que dá ao homem a impressão de que ele tem Olhem para Yob, contra quem o Eterno tinha enviado a Satã. Ele poderia se sentar e clamar: 

Elohim eu não aceito isso na minha vida, não aceito essas misérias que lapidaram meus bens, me empobreceram, levaram meus filhos e agora me consumem a carne! Mas Yob nada sabia da confissão positiba. Para ele Elohim lhe havia dado tudo, e tinha direito a tomar tudo de volta. Num ato de verdadeira adoração ele disse:

“Nu saí do ventre de minha mãe e nu tornarei para lá; YHWH o deu, e YHWH o tomou: bendito seja o nome de YHWH.” Yob 1:21.

            Claro que o Eterno que dá e tira, é também o Eterno que restitui nossas perdas, e isso se vê claramente na vida de Yob quando é restaurado à sua antiga riqueza e dignidade. O crente aprende com a vida de Yob que deve estar prontoa receber, disposto a perder, e esperançoso em reaver o perdido. E essa esperança o move à oração suplicante, não a ordens insensatas.