Multipliquem-se Como Peixes no Meio da Terra (Parte II)

 

Israel um Povo de Milhões de Milhões Salvo Somente Por Graça

 

Rosh Baruch Ben Avraham

 

Apesar de nos empenharmos decididamente em prol da restauração da identidade espiritual e comportamental de efraimitas e bnei anusim ficar absoltamente claro para quem conhece as Escrituras que a redenção de judeus e gentios é um ato somente da graça, que não decorre de nenhuma obra além da obra de Elohim que é crer naquele que por ele foi enviado como Kefa mostrou ao se dirigir a uma plateia de judeus ainda perplexos com a rapidez como os goym respondiam ao chamado da bessorat:

 

 “Mas cremos que seremos salvos pela graça do Adon Yeshua há Maschiach, como eles também.” Atos 15:11.

 

Logo, se existe uma coisa incompatível com a verdadeira compreensão da palavra é a crença de que um homem uma vez salvo venha a se perder e a ser arrojado no lago de fogo e perdição. A rede da bessorat está sendo lançada ao mar das nações para que dela possam ser resgatados todos os herdeiros de uma alma preparada para a santidade e comunhão com Elohim. Todos eles são de fato trazidos à margem do mar das nações, separados dos impuros e lançados nos cestos da fé, da esperança e da santidade e a rede que os apanha não é uma organização religiosa, mas o malchuto há shamaim o reino dos céus.

 

 “O Reino dos céus é semelhante ainda a uma rede que, jogada ao mar, recolhe peixes de toda espécie. Quando está repleta, os pescadores puxam-na para a praia, sentam-se e separam nos cestos o que é bom e jogam fora o que não presta. Assim será no fim do mundo: os anjos virão separar os maus do meio dos justos  e os arrojarão na fornalha, onde haverá choro e ranger de dentes.” Matytyahú 13:47-50.

 

Claro que nessa metáfora Yeshua mostra que uma parte dos peixes será separada assim como qualquer pescador judeu piedoso toma o cuidado de separar os peixes que tem escamas e nadadeiras colocando-os num cesto e descartar todos os que são desprovidos de uma ou duas dessas características. Evidentemente que ao contar essa parábola Yeshua, que veio para cumprir a lei de Moisés não está simplesmente sancionando o que outrora foi dito, a saber, que existem peixes impuros e impróprios para o consumo do povo santo, mas a indicar que nem todos os chamados são salvos.

 

Yeshua vai além disso e mostra claramente que nem todos os descendentes de Israel pescados entre as nações serão redimidos, pois muitos há que pela sua natureza  espiritual não são “kashrut le`malchuto” (Próprios para o reino), apesar de que atualmente a maioria dos cidadãos israelenses 75,3 se considera judaica.

 

Lamentavelmente, a maioria dos judeus se secularizou não dando mais valor à palavra do que os cristãos gentios. Essa falta de religiosidade por parte dos judeus nos remete às sempre atuais palavras de Shaul há Shaliach ao comparar a religiosidade do povo eleito com a do povo que então mais influenciava o mundo, os gregos.

 

 “Que se conclui? Temos nós qualquer vantagem? Não, de forma nenhuma; pois já temos demonstrado que todos, tanto judeus como gregos, estão debaixo do pecado; como está escrito: Não há justo, nem um sequer, não há quem entenda, não há quem busque a Elohim.” Romanos 3:9-11:

 

Com efeito, a situação religiosa da Grécia e de Israel, resguardado o fato de que os judeus têm muito mais luz que os gregos e receberam muito mais vantagens do que eles não é muito diferente. Se na Grécia 27,7% são agnósticos que não tem qualquer certeza se existe ou deixa de existir um ser supremo e 13% são decididamente ateus, em Israel entre 15 e os 37% dos judeus são ateus a depender do critério empregado para definir quem é um ateu.

 

Apesar disso jamais se deva nivelar por baixo gregos e judeus já que o Eterno não escolheu um grego para ser pai na fé, não enviou nenhum profeta ao povo grego e não fez nenhuma promessa de redenção nacional aos gregos antes do reino milenar. Além disso, não houve um Messias grego e um Messias judeu, mas apenas um Messias, Yeshua, o profeta judeu. Isso apesar de que infelizmente, com o passar dos anos a igreja tenha helenizado Yeshua, mudando não apenas seu nome para Jesus, mas principalmente, e o que é mais preocupante, a visão sobre quem é Yeshua que foi parcialmente helenizado e romanizado.

 

O mesmo Shaul depois de perguntar qual a vantagem do judeu lembrou que estas são muitas já que os oráculos de Elohim lhes foram confiados (Romanos 3:2). Antes de dizer isso ele já tinha afirmado que a bessorat é o poder de Elohim para a justiça de todo o que crê, primeiro do judeu (Romanos 1:16) e depois do grego.

 

E quando os próprios judeus não são mais excelentes apesar de que os oráculos de Elohim lhes estão confiados não se há de esperar melhor situação por parte da Casa de Israel nem mesmo quando essa conhece a palavra e passa a acreditar nos profetas. Isso pode ser notado claramente na mesa dos efraimitas e dos anusitas que normalmente suportam sobre ela toda a sorte de criaturas impuras e de carnes abomináveis que lhes servirão de alimento. E isso é bom que se diga contaminou também a vida judaica, não apenas a dos anusim, não sendo raro encontrar porco na mesa dos judeus quer da diáspora quer de Israel.

 

Infelizmente, judeus e efraimitas incorrem na mesma culpa, a de comer aquilo que Adonay não autorizou, e por vezes inclusive proferindo bênçãos sobre cadáveres de criaturas abomináveis como alimento, ainda que nos dois grupos se possam observar pessoas que atentas à Torah da Verdade se abstém do que não é próprio.

 

Como restauradores estamos na obrigação de ensinar que Adonay, mercê de sua grande misericórdia estendeu suas mãos a todo o Israel, judeus e efraimitas, apesar de comerem carne de porco, no entanto nossa obrigação inclui a proclamação de que participar dessas coisas não é nem sinal de fé e nem de santidade, mas de que o povo anda por um caminho que não é bom buscando a satisfação de seus próprios desejos. Verdade é que o Eterno vem salvando seu povo enganado e seduzido a comer manjares imundos, mas também é verdade que isso o desagrada muitíssimo e que essa detestável prática será punida com severo juízo que se derramará contra os que conscientemente o mandamento.

 

“Tornei-me acessível aos que não perguntavam por mim; fui achado daqueles que não me buscavam. A uma nação que não se chamava do meu nome eu disse: Eis-me aqui, eis-me aqui. Estendi as minhas mãos o dia todo a um povo rebelde, que anda por um caminho que não é bom, após os seus próprios pensamentos; povo que de contínuo me provoca diante da minha face, sacrificando em jardins e queimando incenso sobre tijolos; que se assenta entre as sepulturas, e passa as noites junto aos lugares secretos; que come carne de porco, achando-se caldo de coisas abomináveis nas suas vasilhas.” Yesahayhú/Is 65:1-4.

 

Deve, pois ser colocado bem em claro que os dias em que os filhos de Adonay misturados com as nações tem se sentido livres para comer toda a sorte de impurezas abençoando coisas detestáveis está chegando ao fim.

 

Por agora o Eterno ainda estende seus braços a uma casa rebelde e se revela a um povo que não se chama pelo seu nome. No entanto, logo o chamado para que todo o Israel abandone Babilônia com todas as suas práticas, pensamentos e manjares, soará e os eleitos, chamados e fiéis vencerão os costumes das nações, purificarão seus hábitos e seus pratos e cumprirão então o que está escrito acerca deles, abandonarão firmemente os traços de Bavel.

 

“Yah desnudou o seu santo braço à vista de todas as nações; e todos os confins da terra verão a salvação do nosso Elohim. Retirai-vos, retirai-vos, saí daí, não toqueis coisa imunda; saí do meio dela, purificai-vos, os que levais os vasos de Yah. Pois não saireis apressadamente, nem ireis em fuga; porque Yah irá diante de vós, e o Elohim de Israel será a vossa retaguarda.” Yeshayahú 52:10-12. 

Quando o chamado para abandonar os caminhos dos gentios soar, então se revelará a diferença entre um crente piedoso seduzido pelos enganos de Roma que então iluminado abandonará toda a sorte de impureza e os perversos dentre o seu povo Israel que pecam de maneira livre, deliberada, contumaz e rebelde. Depois que Efraimitas e bnei anusim forem chamados à verdadeira santidade, os que continuarem a invocar o nome santo para abençoar a iniquidade e os manjares proibidos incluindo suínos e roedores serão consumidos pela fogo de Elohim.       Esta sem dúvida pode parecer uma manifestação indigerível para quem não conhece as Escrituras, mas é exatamente isso o que elas dizem.

 

“Porque com fogo e com a sua espada entrará Yah em juízo com toda a carne; e os que forem mortos por Yah serão muitos. Os que se santificam, e se purificam para entrar nos jardins, os que comem da carne de porco, e da abominação, e do rato, esses todos serão consumidos, diz Yah.” Yeshayahú /Is. 66:16-17.

 

Assim, quando a obra de pregação em favor de Israel terminar e os milhões de verdadeiros filhos de Israel chamados à santidade abandonarem a impureza moral caracterizada pelas aberrações sexuais e alimentares então todo o Israel será salvo. Naturalmente esse é um processo que resulta da escolha livre soberana de Elohim que não se atribuirá à santificação própria, mas à mesma graça que hoje redime aqueles que não sabem a diferença entre a mão direita e a esquerda, entre a luz e as trevas, entre Israel e as nações e entre o santo e o profano.

 

A palavra hebraica para casamento é kidushim, que significa literalmente santificação, e ela só pode ser empregada à luz da Torah para santificar a união entre um homem e uma mulher que não estejam sob as interdições para o casamento.  Assim, quando um homem judeu coloca o anel de casamento no dedo indicador da mão mais forte de sua noiva e declara: Harei et mikdushet li batabaat zo kedat Moshe v'Israel" (Com esse anel tu ficas consagrada a mim de acordo com as leis de Moshe e de Israel) a santidade da união espiritual foca estabelecida e o casal está pronto para consumar essa união espiritual pela união de seus corpos. No entanto, a Torah chama a um homem que se prostitui com homem ou mulher de kadesh e a uma mulher que faz a mesma coisa de kadeshá. Como pode o sexo sagrado ser chamado de kadosh e o sexo proibido ser denominado kadesh (homossexual) ou kadeshá (prostituição feminina)? A razão é que a prostituição cultual era uma forma de consagrar o prostituto ou prostituta a seus ídolos impuros. Logo a prostituição não é nada mais e nada menos que a perversão daquilo que é santo.

É possível aqui que o profeta Yeshayahú ao empregar a expressão hámite kadeshim (os que se santificam) esteja se referindo a práticas sexuais depravadas que os gentios e mesmo os judeus desviados da Bíblia ousam declarar tão puras e santas como a relação consagrada entre um homem e uma mulher. Se for esse o caso, como acredito, o juízo de Elohim sobre Israel será primeiro por suas perversões sexuais e logo por suas perversões alimentares já que são citados carne de porco, ensopados abomináveis e ratos haja visto que o movimento judaico reformado bem como o reconstrucionista convive lado a lado com estas abomináveis práticas.

No, entanto os que resistirem a verdade e continuarem a se santificar na imundícia prostituindo-se e comendo carne de porco, manjares abomináveis e ratos serão destruídos. Só então o Eterno cumprirá seu grande propósito em favor daqueles gentios que não pertencem a seu povo Israel, que não herdaram o DNA de Avraham e que não se uniram a ele pela fé em Yeshua.

 

Aquilo que hoje é a redenção de alguns gentios se converterá na redenção em massa. Ali, quando todo o verdadeiro Israel for salvo, e destruído todo o falso Israel o Eterno chamará as nações a si, escolhendo dentre os israelitas missionários que irão a elas para lhes ensinar o caminho, e inclusive para tomar dentre os gentios alguns para kohanim (Sacerdotes) e livim (levitas).

 

“ Vem o dia em que ajuntarei todas as nações e línguas; e elas virão, e verão a minha glória. Porei entre elas um sinal, e os que dali escaparem, eu os enviarei às nações, a Társis, Pul, e Lude, povos que atiram com o arco, a Tubal e Yavan, até as ilhas de mais longe, que não ouviram a minha fama, nem viram a minha glória; e eles anunciarão entre as nações a minha glória. E trarão todos os vossos irmãos, dentre todas as nações, como oblação a Yah; sobre cavalos, e em carros, e em liteiras, e sobre mulas, e sobre dromedários, os trarão ao meu santo monte, a Yerushalaim, diz Yah, como os filhos de Israel trazem as suas ofertas em vasos limpos à casa de Yah. E também deles tomarei alguns para kohanin (sacerdotes) e para levim (levitas), diz Yah.” Yeshayahu/Is 66:18:21.

 

Embora nada impeça aos gentios de serem salvos hoje, e multidões deles são redimidos, a redenção das 70 nações descendentes de Noach está reservada para o reino milenar de Maschiach. Assim, a profecia menciona nesse capítulo algumas dessas nações que serão chamadas uma vez concluída a redenção e a depuração de Israel.

 

O primeiro desses povo é Tarsis (Turquia), o segundo é Pul (Líbia), o terceiro é Lud (Líbano), o quarto é Tubal (Espanha e Portugal) e o quinto é Yavan ou Javan (Grécia). Não é, pois de estranhar que a maioria esmagadora dos turcos, líbios e libaneses seja muçulmana, uma religião que remanesce do culto árabe a Alah o deus lunar e que a maior parte dos espanhóis e gregos sejam católicos e ortodoxos, formas idolátricas de culto que misturam a religião judaica com um sincretismo greco-romano.

 

Na verdade os setenta povos primitivos que descendem de Shem, Cham e Yafet, os três filhos de Noach, serão chamados depois que Israel for purificado pelo fogo e seu remanescente for salvo. É de se esperar, portanto, que a exceção dos 20% dos descendentes de judeus que vivem na Espanha e dos cerca de 30% que vivem em Portugal, dos milhares de efraimitas que vivem no Líbano, na Líbia e na Turquia ou na Grécia a maior parte desses povos só sejam realmente chamados à santidade quando o reino messiânico estiver estabelecido e o Eterno colocar o sinal nalguns dos que foram salvos para que caminhem em direção a essas nações. 

 

Mas por agora o alvo prioritário ainda é Efraym, o primogênito gentio de Israel. Ou seja, a plenitude dos gentios em que Efraym se tornaria segundo a profecia de seu pai adotivo, de Yakov Avinu (nosso pai Yakov). Quando essa plenitude for alcançada, e o número de Israel alcançar a quantidade igual a da areia do mar, então os eleitos, todos os eleitos de Israel serão salvos. Lembre que quando Yakov adota Efraim como seu filho dando-lhe a honra da primogenitura ele está apenas sendo o canal por meio do qual Elohim estende seus maiores favores ao filho de Yosef.

 

Assim, apesar da surpresa de Yosef, seu pai, o patriarca Yakov foi contundente com relação ao que espera Efraym. Ele tem de ser a plenitude dos gentios. Pela sua mistura com os gentios Israel se multiplicará até vir a ser uma multidão de gentios na terra. Assim as nações que estão fora do pacto alcançam as promessas do pacto abrahamico.

 

“Vendo Yosef que seu pai colocava a mão direita sobre a cabeça de Efraym, foi-lhe isso desagradável; levantou, pois, a mão de seu pai, para a transpor da cabeça de Efraim para a cabeça de Menashe (Manasses). E Yosef disse a seu pai: Não assim, meu pai, porque este é o primogênito; põe a mão direita sobre a sua cabeça. Mas seu pai, recusando, disse: Eu o sei, meu filho, eu o sei; ele também se tornará um povo, ele também será grande; contudo o seu irmão menor será maior do que ele, e a sua descendência yheyeh melo há goym (se tornará ou será a plenitude dos gentios).” Bereishit/Gn 48:17-19.

            É importante ressaltar que ao fazer de Efraym o primogênito abençoando-o antes de Menashe seu irmão, antes de seus próprios filhos, o patriarca estava fazendo de Efraym o primogênito e não estava fazendo isso por sua mera vontade ou capricho, mas impelido por aquele que desde a fundação do mundo determinara fazer de Efraim, apesar de seus deméritos o canal de benção para as nações, o primogênito de seu amor e bondade. Tanto que o Criador ratifica a benção dada por Yakov dizendo:

 

“Sou um Pai para Israel e Efraim é meu primogênito.” Yirmiahú/Jr 31:9.

 

Ora, se um pai tem o dever de cuidar primeiro dos filhos para só depois alimentar os cães da família tem ainda o dever maior de dar a herança primeiro a seu filho primogênito e só então cuidar dos demais. Por isso Adonay cuidará primeiro de Israel e depois dos gentios. Por isso Efraim, vem sendo chamado à graça de forma muito mais abundante que Judá. Yeshua usou isso como metáfora para explicar à mulher Cananéia por que não havia dirigido primeiramente a ela os seus favores. No entanto, isso não abalou a fé da mulher cananéia, assim como não abalará a fé de nenhum gentio chamado dentro do  propósito de Elohim. 

 

“Então veio ela e, reverenciando-o, disse: Senhor, socorre-me. Ele, porém, respondeu: Não é bom tomar o pão dos filhos e lançá-lo aos cachorrinhos. Ao que ela disse: Sim, Senhor, mas até os cachorrinhos comem das migalhas que caem da mesa dos seus donos. Então respondeu Yeshua, e disse-lhe: Ó mulher, grande é a tua fé! seja-te feito como queres. E desde aquela hora sua filha ficou sã.” Matytyahú/Mt 15:24-17.

        

         Assim, embora os gentios fossem também chamados à salvação, e muitos a abraçassem com alegria, os discípulos sabiam que entre os gentios estavam os israelitas da diáspora. É por esse mesmo motivo que Yakov há Tsadik, Tiago o justo, tendo visto o início da reunião das tribos escreve:

 

“Yakov, servo de Elohim e de Adon Yeshua, às doze tribos da Dispersão, saúde.” Yakov há Tsadik/Tg 1:1.

Estava, pois profetizado que Efraim se tornaria inumerável e que seus descendentes se tornariam o melo há goym (plenitude dos gentios) ou uma multidão de nações estrangeiras. Sim é exatamente a essa multidão de gentios, descendentes de Israel através de Efraym e dos gentios através dos povos com que ele se misturou que Shaul está se referindo quando diz:

 

“Não quero irmãos que ignoreis esse mistério: que o endurecimento veio em parte sobre Israel até que a plenitude dos gentios haja entrado.” Romanos 11:25.

 

Observe que Shaul deseja que seus leitores decifrem o mistério de que o endurecimento de Israel, embora tenha vindo sobre as duas casas, não foi nem completo e nem total, mas apenas parcial.

 

Da mesma forma ele não seria nem permanente e nem eterno, mas apenas passageiro. Ele duraria até que a multidão de gentios que Yakov profetizou fosse atingida e estes fossem finalmente alcançados pela verdade e restaurados a seu primitivo favor.

 

Efraim é pois, simultaneamente Israel e Gentio ao mesmo tempo. Naturalmente isso implicava que uma parte da semente de Yakov se misturasse com os gentios, perdesse sua identidade, se comportasse  como gentílica e fosse tratada como gentílica para fins de direito.

 

Dessa forma estranha e quase indecifrável deveria Efraim cumprir as promessas de multiplicação prodigiosa da semente de Avraham fazendo com que ela fosse como o orvalho que rega a terra indicando que sua presença seria tão abençoadora entre todos os povos que eles sairiam com ele para adorar ao Criador. Quando esse momento chegasse o que aconteceria? Leiamos novamente o texto já com o seu complemento e alcance escatológico. O Eterno só fará pacto com todo o Israel, com as duas casas, Israel e Judá.

 

“Porque não quero, irmãos, que ignoreis este mistério (para que não presumais de vós mesmos): que o endurecimento veio em parte sobre Israel, até que a plenitude dos gentios haja entrado; e assim todo o Israel será salvo, como está escrito: Virá de Tzion o Libertador, e desviará de Yakov as impiedades; e este será o meu pacto com eles, quando eu tirar os seus pecados.” Romanos 11:25-27.